Morando em Marte segundo


Escondida no subsolo da calota polar sul, e provavelmente salgada a ponto de ser dificultar a existência de vida, mas . Difícil, mas não impossível.  Enquanto confirmações cientificas não acontecem, a esperança alimenta a criatividade, e continuamos a imaginar o que faríamos se pudéssemos visitar o planeta vermelho.

Literatura e até música. Para entrar no clima, confira agora uma lita de filmes para inspirar, ou desencorajar,sua mudança para Marte.

Assistir ao longa original onde Arnold Schwarzenegger é o operário Douglas Quaid que sofre com pesadelos em Marte, na companhia de uma mulher desconhecida. Ignorando os conselhos de seu amigo e até sua esposa (Sharon Stone), ele resolve fazer algo em relação aos estranhos sonhos. E compra um pacote de memórias, que o farão acreditar que já fez turismo no planeta vermelho e quem sabe diminuir sua obsessão.

Discussões sobre o conceito de sonho e realidade. Tudo isso antes da onda do "politicamente correto" chegar, e com o estilo peculiar do diretor Paul Verhoeven. Tecnologicamente, é a visão de futuro de quem viva no final da década de 1980. E os efeitos práticos são a grande maioria, não são perfeitos como o CGI dos dias de hoje, mas tem uma textura e realismo que lhes oferecem o um charme que o computador não é capaz de emular. Ficção-cientifica das boas, que reflete seu tempo e ainda funciona muito bem nos dias de hoje.

Um dos membros da equipe é dado como morto, enquanto o restante da tripulação é forçada a deixar o planeta às pressas. Horas mais tarde Mark Watney (Matt Damon), acorda sozinho, ferido, com provisões limitadas e sem meios de se comunicar com o resto da humanidade. Watney precisa descobrir uma forma de sobreviver em um planeta inóspito até a chegada da próxima missão. Enquanto o pessoal da terra, eventualmente vai descobrir a falha e tentar solucionar a situação.

Watney nunca desiste, assim como seus colegas, e mesmo quando estes fazem escolhas das quais discordamos, estas são compreensíveis dentro da função de cada um deles. O vilão é Marte e sua vastidão inóspita. Dirigido por Ridley Scott, a produção acerta tanto nos temas quanto nos efeitos especiais.

Uma astronauta embarca para uma missão à Marte sem saber que estava grávida.Gardner (Asa Butterfield) nasce no planeta vermelho e como não suportaria a viagem de volta é criado em segredo por lá.Quando chega a adolescência o primeiro cidadão genuinamente marciano deseja conhecer a Terra e, claro, encontrar com a garota com quem se corresponde via internet, a adolescente problema Tulsa (Britt Robertson).Mas sua biologia não conseguiria sobreviver em nosso planeta.

Postar um comentário

0 Comentários