Resenha O Mistério do Relógio na Parede


Aparição de Jareth em Labirinto: A Magia do Tempo, a revelação da aparência das bruxas em Convenção das Bruxas, ou mesmo o lobisomem da série Mundo da Lua, povoaram a imaginação da molecada até o final da década de 1990, desde então as produções tem evitado qualquer sequencia mais forte para não traumatizar os pequenos. O maior mérito de O Mistério do Relógio na Parede, é parecer ser concebido nesse período em que fantasias aventurescas para as crianças ousavam desafiar sua bravura.

Precisa se mudar para a casa do tio que pouco conhece, Jonathan Barnavelt (Jack Black). Não demora muito para o garoto de 10 anos perceber que nem a casa, nem seu tio, muito menos a vizinha que vive por perto Sra. Zimmerman (Cate Blanchett) são pessoas comuns. Seus novos responsáveis são feiticeiros, e a casa além de mágica guarda um mistério. É claro, Lewis se encanta pelo mundo da magia tão rapidamente quanto arruma problemas nele.

Adulto, mas são muito diferentes das ameaças que vemos dos produtos infantis atuais. A sensação é de estarmos assistindo a um terror pensado para os pequenos. Essa característica pode ter sido herdada da obra original, o livro homônimo de John Bellairs, lançado em 1973, ou ainda, da curiosa escolha dos responsáveis pela sua adaptação. O roteiro é de Eric Kripke, criador da série de TV Sobrenatural, enquanto a direção é de Eli Roth cujo currículo como diretor está repleto de produções de terror e suspense. O resultado é uma aventura fantástica com tons mais sombrios, como as que muitos de nós cresceram assistindo.

Que a maior parte da história se desenrola. Um ambientação escura, com excesso de marrons e verdes, sombria intimidadora à primeira vista, mas que revela detalhes de cor conforme Lewis deixa de temer a residência e começa a descobrir seus objetos cheio de personalidades e detalhes mágicos.

Terror, ao mesmo tempo que desenrola a trama. Assim, o início do filme soa meio arrastado, já que a produção gasta certo tempo para apresentar os personagens e construir o mistério. Já a segunda sua metade assume um ritmo mais frenético típico de histórias de aventura. Os efeitos em computação gráfica também deixam a desejar, produzidos sem muito esmero, não devem demorar a ficar datados. Mas a produção traz também alguns bons momentos com efeitos práticos.

Postar um comentário

0 Comentários