Sense8 Episódio Final


Lutaram por um encerramento digno após o cancelamento. É o supra-sumo do fan-service, além de encerrar a trama principal, traz de volta as principais características das duas primeiras temporadas da série. O problema é que ao recriar o que deu certo, a produção também repete alguns erros.

Enquanto a OBP, Organização de Preservação Biológica tinha Wolfgang (Max Riemelt), os outros sete sensates capturaram um dos líderes da organização, o vilão Sussurros (Terrence Mann), em uma sequencia de ação que reuniu a muitos deles pela primeira vez. Este episódio especial dá seguimento à trama comum a todos, a luta contra aqueles que querem destruir os homo-sensorium.

Reviravoltas, elementos surpresa e até introdução de novos conceitos são espremidos em duas horas e meia de projeção. Criando uma jornada rocambolesca e confusa, sem muito tempo para que o espectador assimile o que está acontecendo.Ao mesmo tempo que perde tempo com um excesso de explicações nem sempre necessárias para o desenvolvimento da história. As mais absurdas são de um Sense8 explicando para outro Sense8, porquê tem determinada habilidade - Não sei fazer isso, mas você sabe,Todos podem fazer isso há duas temporadas.

Melhor as tramas individuais. A ascensão política de Capheus (Toby Onwumere), e o resultado da investigação sobre a industria farmacêutica de Rajan (Purab Kohli), que sugeria um caso muito maior, são os desfechos mais simplificados. Entretanto, ninguém sai mais prejudicado que Lito (Miguel Ángel Silvestre), além de ter sua trama em busca do papel de sua vida deixada de lado, ele é eclipsado pelos próprios coadjuvantes. Daniela (Eréndira Ibarra) e Hernando (Alfonso Herrera), acabam contribuindo mais com a missão, que o ator.

Talvez por isso Lito tenha ficado apagado, sua "família" já estava formada desde o primeiro ano. Sun (Doona Bae) e o detetive Mun (Sukku Son), ganham cenas doces, mesmo que um pouco deslocadas. O trio Kala (Tina Desai), Wolfgang e Rajan ganham um final inusitado. Enquanto Noomi (Jamie Clayton) e Amanita (Freema Agyeman), representam o auge do amor livre e aceitação da diversidade.

Postar um comentário

0 Comentários