CONFIRA

Alias Grace


Mas, é curioso, e com certeza preocupante, que ainda em 2017 seus temas e críticas sociais sejam tão atuais e relevantes, sejam eles abordados em uma distopia futurista, ou no Canada do século XIV. É neste segundo contexto que se passa a trama de Alias Grace, nova série da Netflix.

Prisão perpétua por assassinato. Quinze anos depois o Dr. Jordan (Edward Holcroft), especializado em problemas da mente vem estudar seu caso, já que a moça alega não ter memórias do crime que a pôs na prisão, fazendo com que sua participação seja uma incógnita.

Alias Grace vai e volta no tempo para contar a história de Grace, abordando não apenas a versão da moça dos fatos, mas de outras pessoas envolvidas nos eventos. O resultado é um intrigante quebra-cabeças, ou colcha de retalhos se preferir utilizar a analogia da própria série, que mesmo depois de montado, nunca de fato é solucionado.

Interessado, e serve de instrumento para criticar esta sociedade patriarcal não muito distante da nossa própria. Mulher e pobre, Grace viveu uma vida de abusos e nunca teve voz própria verdadeiramente. Afinal mesmo nos momentos em que pode se expressar esta fala não era realmente ouvida, fora manipulada por aqueles que se supunham superiores à ela, ou vinha carregada da análise gerada por seu lugar pré-determinado e imutável na sociedade.

Comportamento para sobreviver a cada situação - sem nunca parecer caricata. É verdade que pode existir uma certa dúvida quanto a idade da personagem no início da jornada, já que a mesma atriz a interpreta desde o início da adolescência até a maturidade, mas nada que se torne um empecilho para se envolver com seus dilemas.

Decadência e obsessão do Dr. Jordan conforme ele se envolve no mistério de Grace. Rebecca Liddiard é outra grata surpresa. Sua vivaz, doce e ingênua Mary Whitney, conquista seu espaço logo que aparece em cena, tornando sua jornada mais dolorosa e sua presença permanente mesmo quando não está presente.

A diretora Mary Harron acerta em dar tempo para observarmos pequenas reações e gestos dos personagens, sem medo de se demorar em alguns takes. Em outros, torna a edição mais dinâmica enfatizando a urgência em torno de um assassinato.

Postar um comentário

0 Comentários