Filme Deadpool 2


Nos cinemas, apagando a versão problemática que apareceram em X-Men Origens: Wolverine. Como bônus o anti-herói ainda provou que existe público para filmes de super-heróis com censura alta, abrindo caminho para produções como Logan. O desafio agora é outro, manter o sucesso, sem o fator surpresa, o frescor da novidade, ou soar repetitivo.

Vem do futuro com uma missão de assassinato aparece para acelerar o processo. Acho a sinopse meio vaga Ótimo, quanto menos você souber do roteiro mais divertido fica. Basta saber que nessa "aventura", revemos personagens do primeiro filme, conhecemos novos mutantes, bons e maus, além de presenciar muitas reviravoltas e absurdos.

Ampliarem tudo que foi acerto no longa original para compensar a ausência da novidade, Deadpool 2 assume de cara, que pretende ser maior nas cenas de ação, na violência e principalmente na "zoeira".

Desenvolvimento dos personagens secundários, todos servem principalmente de escada para para Reynolds. O que deve funcionar bem com o grande público, mas deve irritar os fãs de quadrinhos que esperavam muito mais da complexidade de Cable nas telas. Ainda sim, as interpretação de Brolin está em perfeito equilíbrio com o protagonista, criando uma divertida relação de opostos.

Dentro da proposta que lhes é imposta. Russel (Julian Dennison) é a pessoa frágil a ser protegida/resgatada com quem o protagonista cria uma relação. Domino (Zazie Beetz) é a desculpa para usar e abusar de sequencias de ação absurdas determinadas por sorte, Vanessa (Morena Baccarin) é sua bússola moral, e por aí vai.

Volta são as referências à cultura pop, a indústria do entretenimento e ao próprio filme - inclua nesta última, muita narração e quebra da quarta parede. Espalhadas por todo canto em tiradas rápidas, as alusões e piadinhas desafiam o público a estar sempre atento, em vários momentos soam demasiadamente gratuita, mas nem por isso menos divertidas. 

Postar um comentário

0 Comentários