Filme Eu Tonya


Exemplo de Fargo. De fato, talvez se trate de uma comédia de erros da vida real, criada involuntáriamente pelas personalidades quase absurdas que a povoam.

Tonya Harding (Margot Robbie). Promessa no esporte desde a infância, a moça de origem humilde (e nada compatível com o esporte elitista), teve uma vida no mínimo "conturbada", que culminaria no episódio criminoso que abalou o orgulho "estadunidense" às vésperas dos Jogos Olímpicos de Inverno de 1994.

Imaginário, quanto com o ego de uma nação, o diretor opta claramente, por um tom de deboche. Não em relação ao crume em si, mas às personalidades e circunstâncias em que o caso ocorreu. Escolhas idiotas, e atitudes atrapalhadas dignas de uma comédia de absurdos.

Assim, como aqueles que a cercam, os tipos mais equivocados e inapropriados que se poderia imaginar em tal meio, como o marido Jeff Gillooly (Sebastian "Soldado Invernal" Stan) e o segurança vivido por Paul Walter Hauser. Este último trapalhão mor das atividades impossíveis do grupo.

Mesmo que desprezível. Mas os holofotes estão mesmo é sobre Margot Robbie, que surpreende ao encarnar uma persona deselegante, que herdou muitos dos atributos da mãe, e até feia. Ok, está última característica também conta com um belho trabalho da caracterização e do design de produção, que traz de volta o glamouroso exagero cafona das década de 1980 e início dos anos 90. O resultado é uma personagem que por mais que repreendamos, ainda sentimos um pouco de pena, e compreendemos em parte as circunstâncias que a tornaram assim.

Esse conceito assumindo o formato de falso documentário e dando voz a seus personagens, para que cada um conte a sua versão da história. É aqui que a montagem quebra a expectativa do público, ao mostrar imagens e narração que nem sempre são coerentes. E já que a sua palavra nem sempre é a mais confiável, os protagonistas não hesitam em quebrar a quarta parede. Afinal, se falarem diretamente com a gente, talvez acreditemos em suas histórias.

Por outro lado, recria cenas e falas retransmitidas à exaustão pela mídia da época (fica a dica, procure imagens da patinadora no YouTube após ver o filme). Oferecendo certa veracidade à sua abordagem.

Imposições de padrões, ditadura de aparências, culto à celebridades, ao circo midiático, ódio exacerbado e intolerância. Tudo isso abordado de forma sarcástica, e divertida daquele jeito errado, no qual o espectador se percebe rindo de coisas que não devia.

Postar um comentário

0 Comentários