CONFIRA

Rei Arthur A Lenda da Espada


Dúvidas que certezas sobre os detalhes em torno do mito britânico. Aparentemente é nessas incertezas que Guy Ritchie aposta para criar sua releitura da história do rapaz que tirou a espada da pedra.

Saber de sua origem nobre. E, apesar das circunstâncias cresceu muito bem no ambiente em que se encontrava, lidando como ninguém com o dia-a-dia e as intrigas das ruas de Londonium. A reaparição repentina da espada do antigo rei, a Escalibur é claro, muda as circunstâncias. Uma vez, todos os homens são testados pelo usurpador Vortigern (Jude Law), que teme perder seu trono. Adivinhou que à certa altura o relutante Arthur terá de assumir seu lugar como lider para livrar o povo da tirania do atual rei.

Comparado ao mito dos cavaleiros nobres. Arthur não apenas tem que lutar contra o rei, mas dominar a espada que o desafia a enfrentar seus medos. Tudo isso, é claro, às escondidas. Correndo, clandestinamente entre becos, se aliando à renegados e membros da parte "menos nobre" da sociedade da época.

Monstros de CGI pouco críveis. Entre as soluções assumidamente "moderninas" encontradas pelos personagens e textos piegas proferidos com pompa pelos mesmos. Entre fugir das lendas tradicionais, mas entregar aquele final que você já conhece, afinal o nome do filme é Rei Arthur!

Enfraquece a trama que já não é das mais surpreendentes e tem muitos buracos. Quem procura por algo mais que cenas de ação, eventualmente vai se pegar pensando coisa do tipo: se esse personagem tinha esse poder aí, porque não usou antes? Porque fulano se desfez de uma peça de roupa apenas, para pegar outra parecida na sequencia seguinte? Aliás essa personagem não tem nome mesmo?  - entre outros furos que saltam aos olhos.

História, quanto nos personagens.Tornando impossível apreciar os bons momentos do filme. Aqueles em que a produção não se leva muito à sério e tenta apenas divertir você.

Postar um comentário

0 Comentários