Resenha do Pantera Negra


Capitão América Guerra Civil. O longa vem formar um Rei, apresentar uma nova sociedade e cultura, em um filme cheio de personalidade, que quebra padrões sem no entanto, destoar da fórmula Marvel.

Cujo pai morreu em Guerra Civil. Além de ser coroado seguindo as tradições, o jovem rei precisa lidar com as várias tribos que compõem seu povo, com o contrabando de vibranium orquestrado por Ulysses Klaue (Andy Serkis) e com o legado dos reis anteriores. Ser o protetor de sua nação, o Pantera Negra, é apenas mais uma de suas muitas atribuições.

Tecnologicamente desenvolvido do planeta, que esconde suas "riquezas" de todos sob o disfarce de um país agrícola de 3º mundo (não paramos de usar essa nomenclatura?). E isso é extremamente importante para o desenrolar da trama, pois Wakanda é um personagem. Sua história, costumes e a forma como se relacionam com outras nações, motivam os outros personagens e movem a aventura.

Deixando de fora de suas fronteiras as mazelas do mundo. Muitas delas passíveis de solução se eles apenas compartilhassem seu conhecimento. É a velha história de "grandes poderes, grandes responsabilidades", em uma escala muito maior, afinal não é apenas a integridade do heróis que está em risco, mas a proteção de toda uma nação.

Escravidão e segregação racial. Estas questões estão sim presentes no filme, assim como as diferentes posturas para lidar com elas. É claro o paralelo entre as posturas de T'Challa e do vilão Killmonger (Michael B. Jordan), com Martin Luther King e Malcolm X respectivamente. Mas também há espaço para outras discussões, como tradições que precisam ser quebradas (ou não), situações com refugiados e o protecionismo.

Tem objetivos e motivações bem definidas. Vítima de abandono na infância, ele é o completo oposto do herói, assim como a grande maioria das sociedades negras em nada se parecem com Wakanda. Já Klaue retorna de A Era de Ultron, com sua persona exagerada, debochada e desbocada. Dono de uma maldade sem escrúpulos, propositalmente beira a caricatura de forma positiva (sim, isso é possível).

Postar um comentário

0 Comentários