CONFIRA

Tatuagem eletrônica é feita com spray


Sinais vitais transmitidos pela pele esse é o próximo passo dentro da tecnologia de biossensores, desenvolvido por engenheiros elétricos da Universidade Duke, nos EUA.

Expectativa é que o projeto seja enviado para uma impressora para se tornar real. Ao longo dos anos, pesquisas prometeram 'eletrônicos totalmente impressos', mas a realidade é que o processo envolvia retirar a amostra várias vezes para assá-la, lavá-la ou aplicar materiais de revestimento nela. A nossa é a primeira em que a realidade corresponde à percepção do público”, explica um dos autores do projeto, o professor de Engenharia Elétrica Aaron Franklin.

Vez em fins da década passada. Nesse caso, o filme com as primeiras versões de circuitos eletrônicos flexíveis é fixado na pele como uma tatuagem temporária, funcionando como monitores de atividade cardíaca e cerebral, além de estimuladores musculares.Mesmo sendo usados de maneira experimental, esses dispositivos já se encontram prontos para serem comercializados em larga escala.

Substrato a baixas temperaturas. O processo é feito através de uma impressora em aerossol, que produz uma película fina capaz de manter a condutividade depois de seca (o que não leva nem dois minutos). O filme se mantém funcional e íntegro mesmo depois de ser dobrado ao meio mais de mil vezes.

Casos em que os componentes eletrônicos precisam ser personalizados."O uso dessa tatuagem com biossensores possibilita, por exemplo, que uma enfermeira, da sua estação de trabalho, digite que medições seriam necessárias para um paciente específico. É nisso que a impressão sob demanda pode ajudar,prevê Franklin.

Postar um comentário

0 Comentários