A realidade objetiva não existe


Observação, medição e repetibilidade. Um fato, conforme estabelecido por uma medida, deve ser objetivo, de modo que todos os observadores possam concordar com ela.

Mostramos que, no micro-mundo de átomos e partículas que é governado pelas estranhas regras da mecânica quântica, dois observadores diferentes têm direito a seus próprios fatos. Em outras palavras, de acordo com nossa melhor teoria dos blocos de construção da própria natureza, os fatos podem ser realmente subjetivos.

Estados ao mesmo tempo – isso é chamado de superposição. Mas, estranhamente, esse é apenas o caso quando elas não são observadas. No segundo em que você observa um sistema quântico, ele escolhe um local ou estado específico – quebrando a superposição. O fato da natureza se comportar dessa maneira foi comprovado várias vezes no laboratório – por exemplo, no famoso experimento de dupla fenda.

Que aconteceria ao aplicar a mecânica quântica a um observador que está sendo observado. Imagine que um amigo de Wigner joga uma moeda quântica – que está em uma superposição de caras e coroas – dentro de um laboratório fechado. Sempre que o amigo joga a moeda, observa um resultado definitivo. Podemos dizer que o amigo de Wigner estabelece um fato: o resultado do sorteio é definitivamente cara ou coroa.

Moeda como uma superposição de todos os resultados possíveis do experimento. Isso ocorre porque eles estão ’emaranhados’ – assustadoramente conectados, de modo que, se você manipula um, também manipula o outro. Wigner agora pode, em princípio, verificar essa superposição usando o chamado ‘experimento de interferência’ – um tipo de medição quântica que permite desvendar a superposição de um sistema inteiro, confirmando que dois objetos estão emaranhados.

Definitivos para cada jogada da moeda. Wigner, no entanto, discordará sempre que observou amigo e moeda em uma superposição.

Postar um comentário

0 Comentários