CONFIRA

Filme Star Trek Sem Fronteiras


Sem Fronteiras, finalmente encontramos a USS Enterprise no terceiro ano de sua primeira missão de 5 anos desvendando o universo. Até então tudo vai bem com, missões estelares rotineiras (se é que isso existe), a tripulação estreitou ainda mais suas relações pessoais, começa a sentir falta de casa, e para alguns até uma espécie de tédio.

Companhia do "marasmo", levando os de encontro ao vilão Krall (Idris Elba) em um planeta desconhecido. Curiosamente, apesar de ser a primeira aventura desta nova geração longe do planeta Terra, é nesta que a trama se passa mais tempo em "terra firme".

Outros personagens e diminui o foco do bromance Kirk-Spock, que dominou os filmes anteriores. A escolha é acertada, pois assim há chance de desenvolver outros personagens pouco aproveitados até então.

Ativista das causas LGBT, George Takei (que aparentemente não entendeu muito a intenção) foi alardeada pela imprensa, mas no filme é incluída de forma orgânica sem exagerar no teor da mensagem. O universo Star Trek é diverso, e a homossexualidade é uma parte natural dele. Essa informação, não muda nem define o personagem que acompanhamos,  há dois filmes na pele de Cho. Muito menos a versão original de Takei, que pertence à universo alternativo.

A guerreira vem diminuir o peso sobre os ombros de Uhura (Zoe Saldana), única personagem feminina de peso até então. Uma solitária de personalidade forte, a personagem pode até não ser muito original, mas é uma escolha infinitamente melhor que a loira Carol Marcus (Alice Eve) do longa anterior.

Constroem novas relações. Assim, descobrimos a química entre Magro “Bones” (Karl Urban) e Spock (Zachary Quinto), pode ser tão eficiente, e até mais divertida que a tradicional relação de opostos entre o capitão e o vulcano.

Postar um comentário

0 Comentários