CONFIRA

Juiz ordena que a Netflix pare


Emissora acusa a gigante do streaming de assediar seus funcionários. Na decisão provisória divulgada nesta segunda-feira (25), o juiz Marc Gross deu parecer favorável ao pedido do canal que agora pertence à Disney.

Netflix de induzir dois de seus funcionários a romperem seus contratos de longa data. A executiva de produção Tara Flynn e o executivo de marketing Marcos Waltenberg trocaram a emissora pela plataforma online na época, e, mesmo depois da ação, o assédio teria continuado com outros trabalhadores, segundo a Variety.

Emissora após descobrir que os contratos de Flynn e Waltenberg eram válidos e que a Netflix teria interferido indevidamente.Agora, ele concedeu a liminar proibindo o assédio aos funcionários da concorrente por parte do serviço de streaming.

48 páginas, foi resumida assim pelo juiz Marc Gross: "A Netflix não solicitará funcionários que estejam sujeitos a contratos de trabalho válidos com a Fox nem induzirá esses funcionários a violarem seus contratos de trabalho válidos com a Fox". A emissora também solicitou o pagamento de multa, mas o pedido foi negado pela justiça.

Fox forçava seus funcionários a assinarem contratos injustos, os quais deveriam ser considerados inválidos. Agora, com a decisão desfavorável da justiça, a empresa confirmou que vai recorrer.

Gigante do streaming reafirmou a ilegalidade dos contratos da emissora e revelou que continuará a lutar a favor dos trabalhadores da indústria do entretenimento.

Postar um comentário

0 Comentários