Clique abaixo para manter o site online

Protótipos de sistema para buscar aliens


Missão de vasculhar a galáxia em busca de potenciais sinais emitidos por civilizações extraterrestres. Na realidade, a iniciativa faz parte de um projeto criado em parceria entre as universidades de Berkeley, de San Diego e de Harvard, assim como com os Observatórios da Universidade da Califórnia, e deve culminar com a instalação de centenas de telescópios que formação o PANOSETI.

Servirão para dar o pontapé inicial no projeto foram instalados no Observatório Lick, pertinho de San Jose, na California. Obviamente, os equipamentos serão empregados nas observações de toda classe de fenômeno cósmico, mas, como o próprio nome da iniciativa sugere, a finalidade primordial dos dispositivos será a de buscar sinais que indiquem a existência de vida inteligente pela Via Láctea.

Além disso, os equipamentos terão capacidade de capturar imagens de 10 x 10 graus e, juntos, permitirão que se realizem observações de aproximadamente 10 mil graus quadrados do céu de forma instantânea, ampliando absurdamente a quantidade de áreas que poderão ser estudadas (e as chances de flagrar sinais extraterrestres). Só para se ter ideia, a Lua ocupa apenas o equivalente a meio grau no firmamento.

Ser desenvolvido em 2018. Se tudo correr como planejado, o PANOSETI se converterá na primeira iniciativa dedicada a rastrear todo o céu observável em busca de pulsos de energia, em especial a infravermelha, e na escala de nanosegundos, um intervalo de tempo que não foi muito explorado pelos cientistas ainda.

Consistir em emissões extraterrestres,Uma possibilidade é que os equipamentos detectem pulsos incrivelmente breves, mas poderosos, produzidos por lasers já que esses sinais sofrem menos interferências a grandes distâncias, como ocorre com as ondas de rádio, e poderiam ser o método ideal para que os aliens possam se comunicar com seus vizinhos galácticos, incluindo nós, terráqueos.

Postar um comentário

0 Comentários