CONFIRA

Lotado hospital da periferia de São Paulo


Trata-se de um dos quatro hospitais da Prefeitura de São Paulo que operam com alta taxa de ocupação de leitos da UTI por causa da pandemia de coronavírus na média, 74% dos leitos de tratamento intensivo na capital está ocupado, segundo as autoridades estaduais informaram nesta quinta-feira, mas tudo é bastante dinâmico a preocupante. A unidade da zona leste bateu 100% de ocupação de UTIs na semana passada. O Tide Setúbal está situado na zona leste da capital, periferia da cidade, uma das principais frentes de avanço da covid-19. “Todos os dias temos casos de morte. Na primeira semana, depois de se transformar em referência, um rapaz chegou acompanhado da esposa com falta de ar e cansado. Ele não tinha mais de 40 anos. Depois de três horas ele veio a óbito”, conta a profissional.

Equipamento de proteção individual (EPI) para lidar com os pacientes internados e contagiados. “A gente entra no plantão às 7 horas e, quando saímos para tomar café ou almoçar, tiramos nossa capa de proteção impermeável e deixamos pendurada. Passamos um papel toalha para retirar o suor e depois utilizamos outra vez até às 19h”, explica a técnica de enfermagem. “A capa é descartável, se você teve contato com o paciente, tem que jogar fora. Mas como não tem suficiente, tem que ficar trocando vírus de um paciente para outro. Também utilizamos uma máscara N95 [ as mais seguras e recomendadas] por baixo de uma máscara cirúrgica por 12 horas. A única coisa que descartamos são as luvas”, acrescenta.

Tide Setúbal, que fica em São Miguel Paulista. Conforme mostrou o EL PAÍS, até a sexta-feira passada, a maior parte das mortes na maior cidade da América Latina haviam acontecido nas franjas da cidade. Não há um mapa atualizado dos óbitos por região, mas as novas cifras gerais são pouco animadoras.Apenas nesta quinta-feira 211 novos falecimentos por covid-19 entraram nos registros oficiais do Estado de São Paulo metade do total confirmado no país, que foi 407, um recorde desde o início da crise sanitária, que já matou ao menos 3.313 pessoas. As autoridades paulistas dizem que o recorde de confirmações está ligado às análises represadas no feriado enquanto o novo ministro da Saúde, Nelson Teich, disse que “não sabe” se trata de um pico de mortes ou não. Horas depois, o próprio Ministério da Saúde informou nesta mesma quinta que o único que se pode dizer é que ainda há defasagem nos testes para comprovar a covid-19 como causa da morte: 1.269 óbitos ainda aguardam investigação laboratorial e dois terços das mortes adicionadas agora aconteceram há mais de três dias. “Com a chegada de mais testes aos Estados e melhoria de fluxo dos laboratórios, essa espera pelo resultado tem sido reduzida”, diz a pasta.

São Paulo projeta oficialmente contabilizar até o triplo de mortes até 3 de maio. No hospital, os profissionais temem adoecer por causa do contato com os pacientes. Duas mortes de profissionais já foram registradas na unidade: a do auxiliar de enfermagem Eduardo Gomes da Silva e a do médico ortopedista Jaime Takeo Matsumoto, além de vários afastamentos. Dados oficiais indicavam que mais de 3.000 profissionais médicos da capital paulista foram afastados por suspeita de covid-19 até o dia 13 de abril, sendo que 718 já tiveram diagnóstico confirmado. De acordo com o Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo (Sindesep), a taxa de trabalhadores da saúde pública municipal infectados para cada 10.000 é 18 vezes maior que o índice da população da cidade.

Então parece que vai ser entubado”, relata, por meio de outro áudio, uma médica do Tide Setúbal. Ela foi infectada pela covid-19 e está se recuperando, mas seu pai, que também é médico do hospital, está há 14 dias entubado na UTI, segundo apurou o EL PAÍS. "Como filha estou aflita, como médica sei que é uma realidade extrema. Ore pelo meu pai, reza por ele, todo esse carinho por ele coloque em suas meditações. E ele logo logo vai estar com a gente, para brigar com a gente, fazer aqueles plantões que ele sabe fazer muito bem”, lamenta.



FONTE: Brasil Elpais

Postar um comentário

0 Comentários