Olhos do esporte miram a Alemanha



Mas Sterling, do Manchester City, e Willian, do Chelsea, revelam o temor. Entre o medo e a ansiedade, o Campeonato Alemão pode retratar a realidade. O que será possível fazer e o que será impossível antes de uma vacina chegar ou de os tratamentos se aperfeiçoarem para diminuir o esgotamento dos sistemas de saúde.

Horário alemão (10h30 em Brasília), o mundo inteiro obsrvará. A NFL, liga de futebol americano, estuda o protocolo dos alemães. "Será uma propaganda não apenas para o nosso futebol, mas para o nosso país. A contenção da pandemia, made in Germany, poderá ser um marco de qualidade para o mundo", disse o diretor-executivo do Bayern, Karl Heinz Rummenigge.

Número de espectadores dentro dos estádios, mas nunca teve o recorde na televisão. Eram 42.738 torcedores por jogo passando pelas catracas, antes da necessidade dos portões fechados. A reabertura se dará com o clássico do vale do Ruhr, Borussia Dortmund x Schalke, no Signal Iduna Park, sede da maior média de público por jogo -- 80 mil. O estádio estará lá, mas não terá a Gelbe Wand -- a Muralha Amarela.

Mas a decisão é das prefeituras, o que fez o Dynamo Dresden, da segunda divisão, ter seus dois próximos jogos adiados, porque dois atletas foram diagnosticados com a Covid-19. Rummenigge disse que os jogadores do Bayern estão prontos, viajarão para Berlim para enfrentar o Union, mas que se houver um ou dois positivos caberá à prefeitura decidir.

Borussia Dortmund e do Borussia Monchengladbach, hoje treinador do Augsburg, saiu o hotel onde seu time está confinado, para comprar pasta de dentes. Está fora do jogo contra o Wolfsburg. Há muitas incertezas. Mas a Bundesliga permitirá lidar com menos opiniões e mais fatos, para entender o que será possível e o que é impossível.


FONTE: GLOBO ESPORTE

Postar um comentário

0 Comentários