Donos de comércio fazem malabarismo para manter

 

Quem entra nessa ruela não se depara com vitrines chamativas, mas sim com portas fechadas e placas de aluguel. “Ali era uma sapataria que existia há 60 anos. E ali tinha um bar que a fiscalização fechou por desrespeitar as medidas sanitárias”, aponta Vitor Sapolnik, 55, proprietário do Caffè Latte, um dos únicos comércios que sobreviveu na Rua do Comércio. Efeitos de uma pandemia cuja crise causou uma queda de 4,1% no PIB em 2020, a maior em 24 anos, e o desemprego na casa de 14 milhões de pessoas.

EL PAÍS mantém abertas as informações essenciais sobre o coronavírus durante a crise. Se você quer apoiar nosso jornalismo, clique aqui para assinar.

Montar uma cafeteria, após décadas trabalhando em multinacionais. Nesses 16 anos, o negócio se expandiu para uma unidade na Avenida Paulista (centro), duas em escritórios na Vila Clementino (zona sul) e Lapa (zona oeste) e uma versão pocket, a duas quadras da original, também no centro, inaugurada um mês antes do Governo decretar a quarentena pelo novo coronavírus. 

Exatamente a classe que, desde março de 2020, passou em sua grande maioria a adotar o home office. “O fluxo caiu drasticamente e sofremos em todas as nossas lojas”, conta o dono. O Caffè ficou fechado entre março e junho do ano passado, abriu só para delivery e, hoje, funciona com 60% da capacidade e seguindo os protocolos sanitários da Prefeitura — entre eles, a ausência de mesas na calçada, o que Sapolnik considera “um absurdo de outro mundo, já que é o lugar mais ventilado”.

Presidente, Paulo Guedes, Maia, Alcolumbre, Doria, Covas, façam alguma coisa para salvar os negócios, os empregos e a economia”, escreveu. Através da repercussão, Sapolnik conseguiu financiamentos, renegociações de aluguel e readequações na loja física, mas não o suficiente para lidar com todas as dívidas. O proprietário não sabe o que fará com as outras unidades; ele trabalha hoje com 30% do faturamento pré-covid e precisou demitir 16 dos 40 funcionários, cinco deles na loja principal. “E não posso demitir mais pelos períodos de estabilidade que eles têm pelas suspensões de contrato. Se pudesse demitiria, porque não tenho condições de pagar esses salários”, completa.

Falta de crescimento antes da pandemia. Não acumulei dívidas [no último ano] porque usei todo o meu dinheiro, mas a maioria [do setor] deve para bancos e distribuidores”, contou. Segundo contas da Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), mais de 50.000 estabelecimentos do ramo fecharam no Estado desde o início da pandemia. Azevedo administra há 23 anos o restaurante inaugurado pelo seu pai, em 1978, na Rua Heitor Penteado, que funciona sete dias por semana; e uma filial no bairro de Perdizes, que abre de segunda à sexta, mais voltada ao público executivo.

19 para 13. Ao longo dos 30 minutos em que conversou com a reportagem, no estabelecimento da Heitor Penteado, no fim da hora de almoço desta terça, o dono do restaurante parou sete vezes para pesar pratos ou receber os pagamentos de seus clientes. “Desculpa, preciso ficar de olho no caixa”, justificou. A ANR (Associação Nacional de Restaurantes) estima que 84.000 pessoas perderam o emprego no setor em São Paulo. Azevedo viu o faturamento cair pela metade no início da crise, mas hoje chegou a 80% do que tinha em janeiro do ano passado. Em comparação com a situação de Sapolnik, ele tem uma vantagem: o delivery consolidado desde antes da covid-19. “Antes, 30% do nosso faturamento já era com delivery. Agora foi para 70% e compensou o que eu perdi no salão. A diferença é que tenho o iFood como sócio”, explicou.

Eu achei que se precipitaram ao fechar o comércio no começo. Mas temos que levar em consideração que o mundo não sabia o que fazer”, opinou Alexandre. “Todos erraram. Faltou capacidade de se planejar e mudar conforme a necessidade”, completou Vitor. Os empresários admitem que é mais seguro confirar aos cientistas a tomada de decisão acerca das medidas restritivas para o comércio. “Sou do time que acha que precisa resolver a saúde para resolver a economia. A culpa da crise é da pandemia, não da quarentena”, conclui Sapolnik.


FONTE: Brasil Elpais

Postar um comentário

0 Comentários