Presidente do Paraguai se livra de processo de impeachment

 


Contra o presidente Mario Abdo Benítez, acusado pela oposição de ser “corrupto e inoperante” na gestão da pandemia de covid-19. Nesta quarta-feira, houve novas manifestações em frente ao Congresso contra o mandatário, no cargo desde agosto de 2018. A polícia atacou alguns manifestantes com balas de borracha, gases lacrimogêneos e jatos de água. O centro de Assunção voltou a ser um cenário apocalíptico, como já havia ocorrido há cerca de duas semanas, quando os protestos eclodiram.

Quebradas, alguns saques, cerca de 20 detidos e um incêndio na sede da Associação Nacional Republicana (ANR), nome oficial do Partido Colorado, a formação conservadora que governa o Paraguai desde 1954, com a exceção de um período de Governo progressista entre 2008 e 2012. As chamas foram sufocadas pelos bombeiros e pela polícia.

Que os organismos internacionais aceitam sem questionar, como o crescimento médio e sustentado do PIB de 4% por ano ou uma inflação controlada em torno de 5%, a imensa maioria do país – 7 em cada 10 paraguaios ganha menos que o salário mínimo de dois milhões de guaranis (1.670 reais), e 46% da população sobrevive à base de trabalhos irregulares, sem inscrição na previdência social e, portanto, sem seguro médico.

Paraguai já enfrentava duas epidemias: a de dengue, com mais de 200.000 contágios incluindo o presidente Abdo Benítez, em janeiro de 2020 e a de corrupção.

Atrás apenas da Venezuela, segundo o estudo anual elaborado pela ONG Transparência Internacional. O país é governado desde 1954 pela mesma formação política, o Partido Colorado, exceto entre 2008 e 2012, quando o presidente foi o ex-bispo “dos pobres” Fernando Lugo, da Frente Guaçú (esquerda), que obteve uma surpreendente vitória ao se aliar ao tradicional opositor Partido Liberal (centro-direita). O Governo de Lugo terminou um ano antes do previsto, porque ele foi alvo de um impeachment tramitado em tempo recorde de 48 horas pelo Congresso.

Paraguai não tenham medicamentos, a tal ponto que muitas famílias de classe média ou baixa precisem recorrer à venda de comida conhecida como “galinhadas” ou “hamburguesadas” para obter os recursos necessários.

Julio Benegas Vidallet, que acaba de publicar o romance La Cuarentena de Ñasaindy, que aborda a passagem da pandemia por seu país. “As pessoas estão muito sensíveis, vemos pacientes que estão na UTI e cujas famílias procuram dinheiro para que não morram. Todos nós temos um primo, uma irmã ou um sobrinho com o vírus, algo que há dois e três meses era só um pouco de terrorismo midiático”, acrescenta Benegas Vidallet.

Quarentenas e cancelar aulas quando a pandemia da covid-19 começou. Mas havia cada vez mais denúncias de desvio de medicamentos, os leitos de UTI chegando ao limite, e nenhuma perspectiva de aquisição maciça de vacinas contra a covid-19.



FONTE: Brasil Elpais


Postar um comentário

0 Comentários