Anéis misteriosos no céu cientistas continuam buscando

 

Australian Square Kilometer Array Pathfinder (ASKAP) começou a produzir mapas do céu noturno, astrônomos se depararam com um novo mistério: anéis de rádio gigantescos e quase perfeitamente circulares em partes distantes do universo. Apelidados de ORCs (Odd Radio Circles, ou círculos de rádio excêntricos, em português), os objetos têm características peculiares que despertaram o interesse científico – ainda sem resposta definitiva para o que são.

Contendo 11 possibilidades na tentativa de explicar o que podem ser os anéis: falhas de imagem, distorções no espaço-tempo conhecidas como anéis de Einstein ou um novo tipo de remanescente da explosão de uma supernova. Recentemente, eles adicionaram outras possibilidades ao seu catálogo, potencialmente deixando-os mais perto de resolver o problema.

Fontes brilhantes que pudessem indicar a presença de buracos negros ou enormes galáxias brilhando em ondas de rádio. Mas, como disse à Live Science a astrônoma Bärbel Koribalski, pesquisadora do órgão nacional australiano CSIRO e professora da Universidade Western Sydney, na Austrália, alguns cientistas estão sempre em busca de "tudo o que é estranho, tudo o que é novo e tudo o que não se parece com nada mais".

Radioastronomia em Socorro, Novo México, avistou nos dados quatro círculos de rádio brilhantes que, inicialmente, o restante da equipe descartou. Quando os telescópios analisaram os objetos em outros comprimentos de onda, como luz visível, eles ficaram vazios.

Galáxia quase exatamente em seu centro, como um alvo, também chamou a atenção da equipe. Os astrônomos conseguiram determinar que as entidades estavam a vários bilhões de anos-luz de distância e que são potencialmente tão grandes quanto alguns milhões de anos-luz de diâmetro.

Entidade com cerca de um milhão de anos-luz, localizada a cerca de três bilhões de anos-luz de distância da Terra. Eles postaram suas descobertas no banco de dados científico de pré-impressão arXiv em 27 de abril. Agora, o artigo foi aceito para publicação no relatório mensal da Royal Astronomical Society.
 

A primeira é a de que talvez existam galáxias adicionais formando um aglomerado próximo ao objeto, dobrando o material brilhante em uma estrutura semelhante a um anel, que pode simplesmente ter um brilho fraco demais para ser detectado por telescópios atuais.

Central dessas galáxias esteja consumindo gás e poeira, produzindo enormes jatos de partículas e energia em forma de cone. Os astrônomos frequentemente detectam esse tipo de fenômeno no universo, embora geralmente os jatos se alinhem de tal forma com a Terra que os observatórios os vêem se movendo para fora das bordas da galáxia.


FONTE: TECMUNDO

Postar um comentário

0 Comentários